sábado, 11 de janeiro de 2014

Isto não vai cair muito bem...

Ahhh... doente e com necessidade de estudar mas sem vontade? A inspiração cresce de forma exponencial, e até faço dois posts em 3 horas!!

Mas este aqui eu sei desde já que, provavelmente, muitos não vão gostar de certas coisas que vou dizer.

Vamos por pontos:

1- William a mostrar que sem ele não somos nada. Gonçalo, o medio do Estoril, o segundo melhor jogador em campo.

 2- Carrillo deixa as drogas. Ou se não deixares as drogas, faz como o Maradona e manda-as antes dos jogos, não aos fins-de-semana, no Main. Preferencialmente, tenta deixa-las. Mas a continuar assim não ajudas nada, apenas fazes com que joguemos com 10 em vez de 11.

 3- Não houve muitas oportunidades de golo, fazendo do jogo um daqueles aborrecidos, embora intensos.

 4- Bruno de Carvalho não deve estar no banco.


 Pronto era este ponto 4 que eu acho que muitos não vão gostar. Não vale a pena começarem a dizer que sou pro-croquette, ou a comentar de forma irónica “sim, porque na altura do Godinho é que era bom” ou coisas do género. Eu gosto do Bruno de Carvalho, mas sou critica e exigente. Acho uma vergonha ter um presidente a ser advertido pelo arbitro a meio do jogo. Não se pode ter uma postura de tranquilidade e serenidade, e depois aos 30 minutos já estar aos berros à frente dos jogadores, mostrando nervosismo e pouca confiança. Não aprovo essa atitude por parte do treinador, quanto mais do presidente.

 Tal como concordo com o post do Camarote Leonino (ler aqui), que muito foi comentado por criticar a entrevista do presidente. Para mim, já chega de entrevistas, mediatismos, e de chamar a atenção, especialmente quando não há nada de novo para se dizer. Começamos agora o ano de 2014 e já deu entrevistas suficientes pelos próximos 4 anos no ano 2013.

Eu adoro o Bruno de Carvalho, adoro o espírito que trouxe e os resultados que andamos a obter, mas não é por isso que passo a achar que tudo o que ele faz é perfeito, e que cada vez que alguém critica é porque é croquette.


Somos grandes em todos os sentidos.

Fica tudo ofendido porque o Estoril pôs os bilhetes a 25 euros? Eu cá sinto-me elogiada. Afinal, é exactamente o mesmo que os clubes espanhóis fazem quando recebem o Real Madrid ou o Barcelona. Põem os preços exorbitantes para se aproveitarem de jogos que realmente levam as pessoas ao estádio, já que o resto do ano estão às moscas.

O Sporting é um grande outra vez. O Sporting, neste momento, tem a maior onda de apoio dos três grandes, esgotando (ou quase) nas suas deslocações.

O Sporting tem os melhores adeptos do mundo, que durante anos iam ao estádio, sem muitas expectativas, marcar a sua presença (pelo menos no inicio da época). Depois o “sem muitas” passava a nulas, especialmente no ano passado, e até cansativo se tornava ir aquele estádio sentir-se envergonhado pelo que se passava dentro das quatro linhas. Os verdadeiros não desistiam e não perdiam a voz, mesmo que já fosse de forma ritmada e automática, até quando era para insultar o arbitro, e ainda havia uns, como eu, que vinham das suas cidades emigratórias, em datas especificas para ver os jogos.

Este ano fazemos parte das maiores invasões deste país. Porque jogamos bonito, ganhamos jogos (a vitória quase se tornou banal para nós, quando antes era uma raridade),  temos orgulho, ou talvez seja só porque não estamos em mais nenhuma competição, há mais dinheiro para deslocações, mas a verdade é que estes são fieis, e os outros... desses que não honram a arte do futebol, nem vale a pena falar.

Hoje respeitaremos o minuto de silencio pelo grande artista que era Eusebio. Independentemente de tudo o que se passava fora das 4 linhas, dentro delas ele era o rei.


Este ano somos grandes, e como disse José de Pina na nota que partilhou no facebook, mostraremos que o somos. 

Em todos os sentidos.

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Um ano

Faz hoje um ano que me tornei a Singularidades, a singu, a rapariga sportinguista, a do blog do Sporting, a miúda que até sabe de futebol.

É com orgulho que vejo que muito mudou desde então, e que o conceito de rapariga que gosta de futebol passou de ser “um género” a ser algo mais aceite que antes. Muitas raparigas saíram do armário e passaram a admitir o seu amor ao desporto e ao clube, e se quando comecei isto, no grupo do Sporting ao qual pertenço no Facebook, apenas participava eu e outra, entretanto o numero cresceu... e muito. Não que me considere a impulsionadora de este acontecimento, muito pelo contrario, mas fico contente que tenha ajudado. 

Para todos aqueles que me apoiaram, criticaram construtivamente, ao Nuno que fez o logo, aos meus amigos que me ajudaram a continuar (mesmo que sejam os que menos leem), um grandíssimo obrigado, e a todos um óptimo ano. 


SL

Singu